O Que é HPV?

O HPV é uma sigla em inglês para Papilomavírus Humano, e consiste em um vírus, de infecção sexualmente transmissível (IST), que infecta a pele ou as mucosas (oral, genital ou anal), tanto em homens quanto em mulheres, causando verrugas anogenitais (região genital e no ânus) e, dependendo do tipo de vírus, até câncer. 


Sinais e Sintomas do HPV

Na maioria das pessoas, a infecção pelo HPV não apresenta sintomas. O vírus pode ficar latente de meses a anos, sem manifestar sinais (visíveis a olho nu), ou apresentar manifestações subclínicas (não visíveis a olho nu).

A redução da resistência do organismo tende a desencadear a multiplicação do HPV e, consequentemente, causar o aparecimento de lesões. Grande parte das infecções em mulheres (especialmente em adolescentes) se resolve espontaneamente, pelo próprio organismo, em aproximadamente 24 meses.

As primeiras manifestações da infecção pelo HPV ocorrem entre uma média de 2 a 8 meses, podendo levar até 20 anos para surgir algum sinal da infecção. Os sinais costumam ser mais comuns em gestantes e pessoas com imunidade baixa:


Lesões clínicas

Surgem como verrugas na região genital e no ânus (chamadas condilomas acuminados, mas popularmente conhecidas com “crista de galo”, “figueira” ou “cavalo de crista”). Geralmente são assintomáticas, mas podem ocasionar coceira no local. Normalmente essas verrugas são provocadas por tipos de HPV não cancerígenos.


Lesões subclínicas

São as lesões que não são visíveis a olho nu e podem ser encontradas nos mesmos locais das lesões clínicas, não apresentando sinais/sintomas. Essas lesões podem surgir em decorrência de tipos de HPV de baixo e de alto risco para desenvolver câncer.

Podem atingir:

  • Vulva;
  • Vagina;
  • Colo do útero;
  • Região perianal;
  • Ânus;
  • Pênis;
  • Bolsa escrotal;
  • Região pubiana.

Podem aparecer também, porém com menos frequência, em áreas extragenitais, como conjuntivas, mucosa nasal, oral e laríngea.

Em uma condição mais rara, crianças que foram infectadas no momento do parto podem desenvolver lesões verrucosas nas cordas vocais e laringe (Papilomatose Respiratória Recorrente). 


Tratamento

O tratamento das verrugas anogenitais ocorre através da destruição das lesões. Realizando ou não o tratamento, as lesões podem desaparecer, continuar inalteradas ou aumentar em número e/ou volume. O tratamento:

  • Pode ser individualizado, levando em conta as características (extensão, quantidade e localização) das lesões, disponibilidade de recursos e efeitos adversos.
  • São químicos, cirúrgicos e estimuladores da imunidade.
  • Podem ser autoaplicados ou ambulatoriais, de acordo com a indicação médica para cada caso.
  • Podofilina e imiquimode não devem ser utilizadas na gestação.


Diagnóstico

Atualmente, o diagnóstico do HPV é feito através de exames clínicos e laboratoriais, de acordo com o tipo de lesão, se clínica ou subclínica.


Lesões clínicas

Podem ser diagnosticadas através do exame clínico urológico (pênis), ginecológico (vulva/vagina/colo uterino) e dermatológico (pele).


Lesões subclínicas

Podem ser diagnosticadas por exames laboratoriais, como:

  • Exame preventivo Papanicolau;
  • Colposcopia;
  • Peniscopia;
  • Anuscopia.

Também pode-se fazer uso de biópsias e histopatologia para distinguir as lesões benignas das malignas.


Como prevenir


Vacina contra o HPV

É a forma mais eficaz para prevenir contra a infecção. A vacina é distribuída gratuitamente pelo SUS, sendo indicada para:

  • Meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos;
  • Pessoas que vivem HIV;
  • Pessoas transplantadas na faixa etária de 9 a 26 anos.

É importante ressaltar que a vacina não é um tratamento e não é eficaz contra infecções ou lesões por HPV já existentes.


Exame preventivo

O exame ginecológico mais comum é o Papanicolau, que é capaz de identificar lesões precursoras do câncer do colo do útero. Esse exame é responsável por detectar células anormais no revestimento do colo do útero, fazendo com sejam tratadas antes de se tornarem câncer. O exame não consegue diagnosticar a presença do vírus, contudo, é considerado o melhor método para detectar o câncer de colo de útero e suas lesões.


Preservativo

Outra importante forma de prevenção do HPV é o uso de preservativo (camisinha) masculino ou feminino. No entanto, apesar de prevenir contra a maioria das ISTs, o uso do preservativo não impede completamente a infecção pelo HPV devido às lesões mais frequentes estarem presentes em áreas não protegidas pela camisinha (vulva, região pubiana, perineal ou bolsa escrotal). Por cobrir também a vulva, a camisinha feminina é mais eficaz em evitar o contágio, quando utilizada desde o início da relação sexual.

Compartilhe

Comentários